terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Quando a criança precisa de novas sapatilhas de ballet

À medida que os pré-adolescentes e os adolescentes atingem fase de crescimento, seus pés podem crescer a metade ou todo o tamanho dentro de um ano letivo. E para os dançarinos que fazem aula várias vezes por semana, a mudança será sentida rapidamente.

Uma dica é perguntar para seu filha ou filho se a sapatilha está confortável. Outra questão que não relacionado ao crescimento é o nível de técnica de um aluno. À medida que os dançarinos avançam nas aulas da escola, eles recebem cada vez mais execuções de técnicas mais difíceis. Quando isso acontece, seus sapatos de balé também devem dar um passo para cima, a partir de elásticos únicos no topo do pé (como no Daisy, Lily e Love Ballet) para elasticidades cruzadas (como na Julieta, Cobra e Hanami) para segurar o pé para saltos altos e turnos rápidos

Estudantes que fazem  várias aulas podem achar que seus sapatos estão desgastados ou estragados, mas se sua pequena estrela quer sapatos perfeitamente limpos, deixe ela ou ele saber: mesmo sujo ainda serve!

E se os pisos do estúdio tem muito tráfego, isso pode ser uma razão para investir em sapatilhas de ballet de couro.

"O couro é mais fácil de limpar do que a lona", disse Yolanda Walmsley, que recomenda ter um par de back-up para performances, de modo que as sapatilhas limpas sejam usadas ​​com o figurino da apresentação. 

A escolha de couro ou lona será uma escolha pessoal que os dançarinos fazem com base em suas preferências de ajuste e custo.

Você pode comprar uma sapatilha pouco maior, porém evite comprar uma sapatilha muito grande e esperar que seu filha ou filho cresça rápido.

"Você não quer fique a sapatilha fique muito grande, pois isso pode ser perigoso. Um dançarino poderia tropeçar ", disse Orekomaiya. "As sapatilhas não podem ser muito larga, pois pode ocorrer lesões, então,  e necessário fazer um  bom ajuste".


Antes da aula é importante ter certeza de que os sapatilhas do sua filha ou filho tenham feito os ajustes nos cordões/elástico para terem a tensão certa. Estas cordas/elástico finos irão puxar um tecido extra. Se houver excesso demais, eles podem ser amarrados em pequenos arcos e cortados com um simples corte de tesouras.

Mas não corte demais - e nunca remova os cordões. Sem eles, a sapatilha ficará muito solta e provavelment inutilizável. No calçado clássico da Capezio, os cordões de Daisey foram aderidos para que não possam ser puxados para fora. Além disso, os designers de Capezio também eliminaram os cordões em alguns modelos de sapatos de balé. O que foi em resposta ao feedback dos clientes, disse Orekomaiya: "As crianças estavam puxando os cordões para fora".

E essa é uma característica fundamental das sapatilhas Love Ballet e dos novos sapatos de dança Hanami, feitos de lona extensível de quatro vias que se agarra ao pé - sem necessidade de cordões.


fonte: https://spotlight.capezio.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo





terça-feira, 30 de janeiro de 2018

7 Diferenças entre Ballet e Dança Chinesa Clássica



Resultado de imagem para chinese dance


No Ocidente nós  conhecemos o balé e as  performances como o Nutcracker ou Swan Lake. Mas há outra forma de dança clássica com uma longa história que só recentemente irrompeu na cena mundial. Chama-se dança clássica chinesa.

A dança clássica chinesa é uma forma de dança incrivelmente exigente, refinada e expressiva. Ao lado do balé, é também um dos sistemas de dança mais abrangentes conhecidos da humanidade.

Até alguns anos atrás, poucas pessoas fora da China já ouviram falar da dança chinesa clássica. Um dos principais motivos é que, quando as empresas chinesas se apresentaram no exterior, muitas vezes misturavam dança chinesa com balé, dança contemporânea, moderno e jazz, então o público deixa o teatro sem saber exatamente o que acabaram de ver.

Em 2006,  Shen Yun Performing Arts foi estabelecido em Nova York,  e a sua missão como fundadora foi reviver a cultura tradicional, e isso incluiu a apresentação da dança chinesa clássica em sua forma mais pura. Uma década depois, a dança chinesa clássica  se tornou um nome conhecido e teve uma tremenda influência sobre outras formas de arte.

Qual a diferença, então, entre o balé e a dança chinesa clássica? Ambos podem ser incrivelmente bonitos. Ambos são muito atléticos e exigem anos de trabalho árduo disciplinado. E, no entanto, a sensação de que você observa essas duas formas de dança é marcadamente distinta. Para realmente experimentar isso, você deve assistir a uma performance de dança chinesa clássica.

Seguem as 7  diferenças básicas:

Primeira Diferença: História
O balé tem uma história de várias centenas de anos. A sua história remonta ao renascimento italiano no século XV. A forma de arte foi sistematizada pelo rei Louis XIV cerca de cem anos depois.

A dança clássica chinesa está enraizada em cinco milênios da civilização chinesa. Suas origens remontam a danças em antigos palácios imperiais e tradições populares que foram transmitidas pelas gerações. Alguns elementos foram preservados até hoje em artes marciais, mas mais sobre isso em um momento.

Segunda Diferença: Treinamento
Tanto o balé como a dança chinesa clássica têm sistemas de treinamento muito sistemáticos, mas suas abordagens são diferentes. Os muitos métodos de treinamento do Ballet geralmente começam com o trabalho dos pés e fortalecimento das pernas e os músculos do core. O treinamento avançado para incluir o trabalho nas mãos, ponta e técnicas de alto nível do balé.

O treinamento de dança clássica chinesa inclui três componentes principais: habilidade técnica, forma e rolamento. As técnicas de alto nível da dança chinesa clássica também são incrivelmente exigentes e incluem muitos movimentos não presentes no balé (mais sobre isso abaixo).

A "Form" é um sistema de numerosos movimentos e posturas claramente chinesas. Mas talvez a parte mais importante do treinamento seja de "apoio", ou em Chinese-yun (o mesmo Yun em Shen Yun). Yun é o sentimento interior por trás de um movimento. Está profundamente ligado à respiração do dançarino e ao estado de espírito, e reflete unicamente a personalidade de um artista.

Terceira diferença: Física
A nível profissional, os bailarinos de dança de balé e clássicos são incrivelmente aptos, magros e têm flexibilidade aparentemente desumana e controle muscular. Mas os dois estilos de treinamento também levam a diferenças físicas dos dançarinos.

Simplificando, ballet e dança chinesa clássica usam músculos de forma diferente. Ballet baseia-se na anatomia humana existente para desenvolver os músculos de uma nova maneira específica para as necessidades do balé.

A dança clássica chinesa, no entanto, usa os mesmos músculos que usamos diariamente e não exige que eles sejam especificamente desenvolvidos. Os músculos que um dançarino usa ao andar, correr ou jogar basquete são os mesmos músculos utilizados na dança chinesa clássica.

Então, se você ver uma dançarina chinesa clássica caminhando pela rua, você pode notar apenas uma pessoa apta com uma ótima postura e uma marcha suave e graciosa.

Quarta diferença: técnicas
O balé moderno incorporou técnicas de diferentes formas de arte, incluindo a dança chinesa clássica. Mas ao comparar o ballet tradicional e a dança chinesa clássica, uma das coisas que a platéia geralmente observa é o alcance e o grau de dificuldade das técnicas clássicas da dança chinesa.

As rotações, por exemplo, são realizadas de forma diferente. No balé, eles são realizados verticalmente, com o corpo em um eixo perfeitamente perpendicular. Na dança chinesa clássica, essas técnicas são realizadas com a parte superior do corpo inclinada para a frente, inclinando-se para cima ou torcendo para trás e, como resultado, as rotações podem ocorrer em vários planos. Dançarinos clássicos chineses podem até girar com uma perna elevada acima de suas cabeças.

Outro exemplo são os flips (fanteng) da dança chinesa clássica, que não existem no balé. Nas apresentações de Shen Yun, essas voltas geralmente atraem suspiros da platéia.

As pessoas às vezes chamam erroneamente esses movimentos "acrobacias" ou "ginástica", mas na verdade é que é o contrário. Esses flips difíceis realmente se originaram da dança chinesa clássica e têm uma história de milhares de anos.

Algumas décadas atrás, as ginastas chinesas começaram a emprestar esses movimentos da dança clássica chinesa e os apresentaram nas Olimpíadas. Foi assim que a maioria das pessoas no Ocidente aprendeu sobre elas, e é por isso que não é conhecido de onde elas realmente vieram


Quinta diferença: conexão às artes marciais
 A dança clássica chinesa tem um relacionamento especial com artes marciais que não existe no balé. A dança clássica chinesa e as artes marciais chinesas podem ser ditas como irmãos com talentos semelhantes que escolheram caminhos diferentes.

Na China antiga, durante as grandes festas no palácio imperial, os generais se apresentariam frente ao imperador. Os mesmos movimentos de artes marciais que eles usam no campo de batalha tornaram-se uma forma de arte, dança.

O movimento de evitar uma lança, por exemplo, tornou-se parte da dança como um backflip; Defender um ataque simultâneo de todos os lados tornou-se na dança um sao tang, ou "varrendo a rotação do salão".

Não foi assim que evoluiu para o outro. Em vez disso, a mesma técnica usada para combater é artes marciais e usada civilmente é dança. A língua chinesa ainda tem uma pista sobre isso: o wu em wu shu (artes marciais) e o wu in wu dao (dança) são escritos de forma diferente, mas pronunciados exatamente o mesmo.

Resultado de imagem para chinese dance and ballet

Sexta Diferença: Influência Cultural
O Ballet, do Oeste, e a dança chinesa clássica, do Oriente, são fundadas em heranças culturais distintas. Essa diferença é intangível, mas talvez um exemplo possa ajudar a ilustrar isso.

Na cultura ocidental, quando você se aproxima de alguém com quem deseja falar, você geralmente caminhou até essa pessoa em linha reta. Na cultura oriental tradicional, você abordaria essa pessoa de forma indireta, através de uma trajetória circular.

Esta diferença pode ser vista em como o ballet enfatiza movimento linear, distinto e dança chinesa clássica enfatiza movimentos que são redondos e contínuos, sem pausas. O balé também tem movimentos e posturas perfeitamente redondos, mas na circularidade clássica da dança chinesa é um atributo básico que permeia todos os movimentos.

O "círculo da figura oito" (ba zi yuan), por exemplo, é um movimento que se assemelha a uma fita de arco. Para avançar, o movimento começa para trás, e para ir para a esquerda, ele fica bem primeiro, formando uma figura oito. Este movimento pode ser um pequeno gesto de mão ou uma grande rotação aberta de todo o corpo, adicionando camadas de complexidade até mesmo os movimentos minúsculos da dança chinesa clássica.

Sétima diferença: Ladies 'Footwork
Uma diferença final que é imediatamente fácil de detectar é a forma como as dançarinas femininas se movem através do palco. No balé, o movimento é freqüentemente na ponta, com uma perna perfeitamente reta estendendo todo o caminho até as pontas dos dedos dos pés. Às vezes, um bailarino de sexo feminino também se moverá em grandes passos dramáticos que enfatizam a abertura.

Na dança chinesa clássica, a menos que estejam executando uma técnica, as dançarinas se movem com um mini-passo rápido para o calcanhar. Parece que elas não estão caminhando tanto quanto estão deslizando pelo palco. O movimento é tão rápido e suave que faz com que os dançarinos parecem estar flutuando em uma nuvem.

Tesouro universal
Uma dança é mais conhecida que a outra, apesar de ser muito antiga. Apesar de suas diferenças,  tanto o balé quanto a dança chinesa clássica têm a capacidade de contar histórias vividamente e nos mover através de sua arte bonita.

Aqui estão alguns recursos para conhecer a dança chinesa clássica. Não há nada, no entanto, como experimentá-lo ao vivo.

fonte: https://www.shenyun.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Cinco dicas para melhorar sua apresentação no espetáculo quando há cenas de luta.



Em alguns espetáculos o combate intenso é uma etapa crucial, desde as lutas de espadas em Romeu e Julieta até os ganchos de esquerda do musical Rockway da Broadway. Mas para desempenhá-los bem requer uma consciência cuidadosa do corpo, confiança e um compromisso total com a segurança. Abaixo seguem algumas dicas de especialistas que podem ajudá-lo a tornar suas cenas de luta mais convincentes, atraentes e seguras.

1. Porque fazer Curso Básico....
Quando Luke Ingham foi representar o Tybalt no Romeu & Julieta do Ballet de San Francisco, ele passou um mês inteiro praticando as posições básicas do corpo para a esgrima, o footwork e o impulso. "Você precisa realmente saber  onde estão seus os pés e deixá-los firmes, ", diz Ingham.


Quando ele conseguiu assimilar os fundamentos da esgrima, ele começou a ensaiar a coreografia do segundo ato onde acontece uma luta espada. "Por causa do tempo que nós tivemos para aperfeiçoar os movimentos, e quão confiante ficamos com a coreografia, isso nos permiti a expressar livremente nossos personagens sem nos preocupar com 'O que vou fazendo agora?' "diz Ingham.

2. Conseguir fazer close up
O combate do corpo-a-corpo,  um empurrão,ou como puxar os cabelos como acontece no espetáculo da  Cinderela - onde uma das meia-irmãs puxa o cabelo dela. É mais seguro e mais crível para os dançarinos fiquem há uma distância de um metro um do outro, em vez de ter os braços retos e os cotovelos bloqueados.

"Você precisa estar tão perto do seu parceiro quanto possível, de modo que você possa comunicar de forma não verbal o que você precisa", explica Jared Kirby, um coordenador de luta baseado em Nova York, que treinou pessoas para fazerem acrobacias na TV e atores de Shakespeare que recentemente ajudaram os coreógrafos Rick e Jeff Kuperman a se prepararem para a produção de The Count of Monte Cristo. "A vítima está sempre no controle. E o público obtém essa incrível e visceral experiência, porque quanto mais perto estiver, mais realista parece", diz ele.



3. Conheça seu alvo
Ingham passou horas ensaiando com o ex-diretor SFB Pascal Molat, que retratou seu oponente, Mercutio. "É importante manter essa continuidade com o mesmo parceiro", diz ele, para que você possa dominar o tempo, o impulso e a posição de cada movimento. "Algumas pessoas são baixas, outras são altas. E você precisa ter uma compreensão precisa de que ponto no corpo você está apontando". As espadas e as facas prontas para o palco são falsas, porém não são inofensivas, e  se acidentalmente você for atingido "não será agradável".

4. Combater de forma cooperativa
Mesmo quando os personagens são inimigos jurados, os dançarinos que os retratam precisam ser parceiros harmoniosos. "O trabalho de luta é 100% de energia cooperativa para mostrar conflito", diz Kirby. Lembre-se de que o seu trabalho mais importante é proteger uns aos outros. "Se vocês dois abraçam isso, vocês trabalharão juntos para promover a coreografia para o próximo nível", diz ele.

5. Converse
Se um coreógrafo ou um diretor de luta pede que você faça algo que não seja seguro. "É uma posição muito infeliz, mas acontece", diz Favia.  ela nunca pede aos dançarinos para tentar truques perigosos apenas fazer alguma coisa que de  efeito. "Se estiver coreografado corretamente, a mensagem sempre será retratada, mesmo sendo em uma versão" segura ", diz ela.
Se você não pode resolver a situação no ensaio, vá para o diretor, o proprietário do estúdio ou o representante do grupo. "Você precisa confiar em seus instintos e se expressar", diz Kirby. "Uma comunicação respeitosa é a chave".


Fonte: http://www.dancemagazine.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo




segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Sapatilhas de ponta: eles vão doer sempre que eu usar?


Resultado de imagem para ballerina feets

Você aguardou por muito tempo e, fez a quantidade de aulas necessária, trabalhou muito duro na sua técnica de balé e finalmente foi aprovada pelo seu professor para usar a sapatilha de ponta. Parabéns! Você pode até sonhar em ser a primeira bailarina,  vestindo suas lindas sapatilhas de ponta de cetim com elegância e beleza. Mas então ... aí. Embora a emoção de ter seu primeiro par de sapatilhas de ponta, e é nesse momento que você descobre que elas não são as coisas mais confortáveis que você já colocou nos seus pés. Mas, as sapatilhas de ponta sempre doem? A dança na sapatilha de ponta pode ser feita dor?
Aqui seguem algumas dicas de Mary Carpenter de Nova York, ela é especialista de sapatilhas de ponta, para falar sobre se a dor da sapatilha é normal, se é gerencíavel e como você pode superar a transição desconfortável.


"Estou com medo de começar a ponta porque vai doer!"
Alguns jovens dançarinos podem ter medo de começar o trabalho de ponta porque temem a "dor" que pode vir quando usar a sapatilha de ponta. Carpenter assegura, no entanto, que se você tem um core (lombar, glúteo e abdômen) bem alinhado, uma boa higiene dos pés, treinamento adequado e correspondente ao seu nível e as habilidades necessárias para entrar em ponta, então a "dor", ou "desconforto", serão  gerenciáveis.

"Eu sempre sentirei dor, toda vez que eu for dançar? Por quanto tempo será doloroso? "
A dor inicial pode ser controlada, dançar com sapatilha de ponta não é tão confortável como os chinelos da sua casa.
"Não há nada parecido com a dor das sapatilhas de ponta", diz Carpenter. "Os seres humanos não nasceram para a ponta, e eles não saem do útero com os quadris obtidos 180 graus. Você tem que aceitar que isso é uma coisa incomum para o corpo humano empreender, como andar na corda bamba, patinação no gelo e etc. Dito isto, quanto mais forte você ter o core,  pernas,  pés e na técnica geral, será mais fácil para o seu corpo ajustar as demandas dessa rotação externa,  com essa linha vertical sobre os dedos dos pés  (na ponta) ".


"Como posso tornar a ponta menos dolorosa?"
Claro, o pointework pode ser desconfortável. Afinal, apontou Carpenter, o próprio balé é uma coisa incomum para o corpo experimentar. "O balé é uma coisa incomum, pense por um momento: você  coloca todo o seu peso nos dedos dos seus pés em um sapato duro projetado para suportar todo o seu corpo alinhado sobre uma pequena área de superfície".

Mas se você mudar sua perspectiva, isso pode ajudar. Em vez de se concentrar na dor ou em ter medo de dançar na ponta, tente saborear no sentido da realização de que finalmente obteve suas sapatilha de ponta! Um pensamento positivo pode ajudar o seu o corpo.

Há outras coisas que você pode fazer também. Carpenter encoraja aos dançarinos a ouvir seus professores. Tire nota e tente aplicar todas as correções que seus professores lhe dão em todas as suas aulas. Tome a iniciativa e faça exercícios extras para fortalecer seu core - abdômen, lombar, glúteos, cintura escapular. (Pergunte aos seus professores se você precisa de mais alguns exercícios.) Trabalhe duro nas suas aulas de técnica de balé, com foco em uma alta demi-pointe e a articulation tendus.

E, claro, certifique-se que suas sapatilhas de ponta sejam feita por um profissional; não escolha apenas um par na prateleira. "Certifique-se de que suas sapatilhas de ponta se encaixem muito bem nos seus pés, e que também não sejam tão apertados que seus metatarsais sejam esmagados", avisa Carpenter. 


Uma dica é ter um podólogo e um ortopedista, se houver algum problema de desalinhamento com seus tornozelos e pés. Carpenter diz: "O médico pode dar-lhe exercícios de terapia, técnicas  e dicas com cuidados com os pés. Por exemplo, se você  tiver pés chatos, pergunte ao médico se há um método de massagem ou alguns exercícios que você pode fazer para ajudar você".

"Como eu cuido dos meus pés?"
A higiene adequada dos pés certamente pode ajudar com o desconforto que as sapatilhas de ponta podem trazer. Carpenter pede aos dançarinos que não deixem que as unhas dos pés sejam muito longas e também não as cortem demais. Além disso, você pode querer evitar pedicures, que cavam as cutículas e eliminam calos, e você sabe que eles protegem os seus pés contra a infecções, explica Carpenter.

"Comece imediatamente a ter rotina nos cuidados com os pés", acrescenta. "Sempre tenha o que eu chamo de" spray de ballet mágico "na sua bolsa de dança. Pegue uma pequena garrafa de spritzer, encha-a com ¾ de álcool, ¼ de água e algumas gotas de qualquer óleo essencial que você gosta. Eu gosto de lavanda, então é o que eu uso, mas você também pode usar o óleo chá verde, limão, sálvia, ou qualquer outro. Pulverize seus pés depois de terminar de dançar durante o dia. O spray mata odores, se livra das bactérias (pé de atleta), deixa a  pele dos pés secos, assim,  ajudando a desenvolver calos, além disso é barato de fazer. Uma dica: não pulverize diretamente sobre uma ferida aberta. Use uma pedra-pomes em seus calos após um banho, mas não tente se livrar deles completamente. Você precisa que sua pele se endureça para proteger da sapatilha ".

Além disso, Carpenter diz: deixe suas suas sapatilhas de ponta secar depois de cada classe ou ensaio. E lave sempre os pés depois da aula! Não só eles cheiram, mas muitas vezes podem ser o lar de bactérias que podem causar infecções nos pés ou nas unhas.

"E se ainda for doloroso, mesmo depois de seguir todas essas dicas?"
O desconforto pode vir  na dança usando a ponta, mas se for uma dor intensa, isso pode significar que algo está errado,  diz Carpenter.
"Consulte o seu professor, um profissional que fabrica as sapatilhas ou um podólogo, e seja específico sobre o que você está sentindo", encoraja Carpenter. "Se você disser a um profissional que dói, isso não é útil. Seja pró-ativo, tente melhorar sua técnica, troque a ponteira, troque a marca da sapatilha de ponta. A fita adesiva ou a fita de esportes funcionam melhor para você? Você realmente precisa de uma palmilha de gel?  Por que você está tentando usar a mesma modelo sapatilha da sua amiga quando ela tem pés completamente diferentes? Você está realmente fazendo todos os dias seus exercícios com a TheraBand, que aumenta lentamente o seu demi-pointe, ou você está apenas olhando as fotos do Instagram de outras bailarinas que estão na ponta, e esperando fazer a mesma coisa um dia? Você deve ser a única a fazer que isso aconteça, ninguém pode fazer isso por você. Professores, profissionais que fabricam as sapatilhas, terapeutas e médicos podem orientá-lo, mas é você que tem que trabalhar duro. Sua recompensa é saber que você fez isso sozinho, se superando constantemente!"


Fonte: http://dancemagazine.com.au


Whats app: (11) 9.9329.7223

Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Seis maneiras de melhorar seu alongamento

Oi Gente!

Você já ficou ansioso por fazer penché (ou 6 horas), ou um desenvolvé que chegue ao seu nariz? Então,  você não está sozinho. O nosso olhar é atraído para um detalhe de um passo, e na dança,  muitas vezes se traduz em ter o maior alongamento.

Mas,  se você nascer sem limites de flexibilidade, com os passos dignos de aparecer no Instagram? É uma questão de desenvolver o foco no alinhamento da sua postura, bem como fortalecer e alongar com a melhor mecânica corporal.

Regra nº 1: não contrair
Conheça pelo menos uma versão CliffsNotes (é um método de estudo) da sua anatomia: os principais músculos responsáveis ​​por levantar a frente e ao lado a perna são: seus psoas, quadríceps e tensor fasciae latae (TFL). Quando for fazer  o arabesco use os glúteos, isquiotibiais e os músculos lombares.

Esses músculos "motores" funcionam melhor quando os rotadores profundos, os músculos da coxa interna e os músculos abdominais profundos estabilizam o quadril. Você pode usar esses músculos  como estabilizadores e ainda contrair, não deixando esses músculos se moverem livremente.

"Quando vejo dançarinos fazendo força  para aumentar o alongamento da perna, vejo que o  problema geralmente pode vir dos quadriceps, TFL ou gluteos", diz a fisioterapeuta Emma Faulkner, que trabalha com Atlanta Ballet. A chave é fortalecer esses pequenos músculos estabilizadores para que eles façam seu trabalho e você não fique tentando contrair-los .

Experimente este estabilizador: pontes com bolas de estabilidade
Deite de costas no chão e com calcanhares em cima de uma grande bola de estabilidade, pernas retas e juntas e em paralelo ao chão.
Aponte seus quadris para cima, e o seu umbigo contraído para ativar seu abdômen sem comprimir os glúteos.
Gire as pernas para a primeira posição, ativando seus rotadores profundos.
Retorne para paralelo e abaixe seus quadris.




Experimente este fortalecimento do Rotator: Progressões no disco rotativo
1.Com cada pé em um disco rotativo, gire para a primeira posição, depois com demi-plie.
2.Transfira peso para uma perna, trazendo o outro para coupé.
3.Se você consegue manter a sua estabilidade no disco, levante para passé. Não segure na parte superior dos glúteos. Você deve sentir a ativação na parte inferior, perto dos ísquios.
4.Para o desenvolvimento  Attitude (frente, lado ou costas) e, eventualmente o développé, desde que seja capaz de manter o foco e a estabilidade da sua perna parada sem contrair-los. Faça algumas respirações em cada posição. Tente com uma perna estendida e com um demi-plié. Pare ou retroceda um passo se o contração ocorrer.



Regra nº 2: Encontre o alinhamento da posição
"Concentre-se na correção da posição", sugere Jenifer Ringer, reitora da Trudl Zipper Dance Institute na Colburn School, em Los Angeles. "Se a posição para sua rotação for adequada, sua força aumentará  e suas pernas irão eventualmente subir".

Certifique-se de que seu peso está na bola do pé. "O peso não pode estar no calcanhar em la seconde - pois faz a sua perna de trabalho muito pesada", explica Ringer.

Da mesma forma, evite  a hiperextensão dos joelhos. "A hiperextensão destrói os músculos que você precisa.  Em seguida,  incline a pelve para a frente, o que faz a contração", diz Faulkner. "A hiperextensão é bonita, mas você só deve usá-la na perna que está fora do chão".

Por último, seus quadris devem ser quadrados - não inclinados para a frente ou para baixo - e mesmo para a direita para a esquerda.

Regra nº 3: envolver os Psoas
Para levantar a perna acima de 90 graus, o psoas é o melhor flexor do quadril, diz Faulkner. Mas os dançarinos geralmente têm músculos psoas fracos e contraídos. "Quando os músculos ficam tensos e contraído demais", ela diz, "eles desistem e tornam-se fracos e comprimidos, e são incapazes de prolongar adequadamente". Um erro comum é compensar um psoas fraco e comprimido,  forçando os quadriceps e TFL.

Experimente este fortalecedor de Psoas: elevação de perna em uma bola de estabilidade
1.Deite de costas, os quadris no chão em uma posição neutra, com saltos em cima de uma bola de estabilidade,  e mantenha as pernas estendidas.
2.Encontre o seu psoas direito palpando com os dedos entre o seu abdômen e o osso do quadril. (O psoas contraído pode ser doloroso, então pise levemente,  você pode não sentir o músculo, mas você vai ativá-lo.) Coloque a mão esquerda no seu quadriceps.
3.Ao expirar, levante a perna direita da bola usando seus psoas, sem segurar suas pernas ou glúteos. "Mantenha uma espinha neutra, não comprima seu glúteo", diz Faulkner. "Use sua expiração para envolver seu assoalho pélvico e abdominais profundos para encontrar seus psoas".





Regra nº 4: use seus glúteos
"Problemas com o arabesco podem vir de um psoas encurtado ou de um padrão incorreto de ativação muscular", diz Faulkner. "Alguns dançarinos tentam levantar suas pernas de suas costas primeiro. A seqüência correta é ativar os glúteos, depois os isquiotibiais e depois os músculos lombares".

Experimente este ativador do Arabesque: joelhos suspensos
1.Deite-se no seu estômago, as pernas paralelas, os joelhos relaxados e os dedos dos pés dobrados como se estivessem em preparação para o abdômen prancha.
2.A mão direita  esta debaixo da sua testa e a mão esquerda descansa em cima do glúteo esquerdo.
3.Levante o joelho esquerdo do chão, ativando apenas seus glúteos.
4.Uma vez que você é capaz de fazer isso, aponte seu pé para cima e mantenha estendido fora do chão, sentindo que os isquiotibiais se envolvem.
5.Finalmente, para levantar a perna mais alto, envolva seus músculos da sua coluna lombar.


Regra nº 5: estender
Como os dançarinos sabem, a flexibilidade é apenas metade da equação de extensão. "Nosso fisioterapeuta continua dizendo aos meus alunos que não exagere demais, porque você está sacrificando força", diz Ringer. Para ajudar os alunos a ganhar flexibilidade gradualmente, tornando-se forte o suficiente para mantê-lo, em Colburn, os alongamentos são mantidos suavemente e nunca por mais de 30 segundos por vez.

Troy Powell, diretor artístico da Ailey II, acredita a técnica de Horton com a construção das belas linhas para as quais os dançarinos de Ailey são conhecidos, porque equilibra o treinamento de força ao longo de alongamentos inteligentes. Sua classe inclui uma variedade de alongamentos, mas somente após um longo aquecimento se cria força. "Os alunos devem esfriar logo após a aula", diz Powell. "Enquanto seu corpo ainda está quente, trabalhe alongamentos adicionais, você pode precisar abrir os quadris ou alongar os músculos das costas e dos isquiotibiais".

Experimente este alongamento Psoas para o Arabesque: Modified Runner's Lunge
1.Ajoelhe-se de joelhos com um dos pés colocado a sua frente,
2.Faça um movimento de seus quadris pra frente, e  em seguida, coloque o  peso na perna da frente.
3.Alongue o braço perto da sua cabeça -  esse braço estendido é do mesmo lado da perna que estiver estendida para trás. A cada respiração alongue um pouco mais.


Regra nº  6: soltar os músculos contraídos
Muitas vezes, quando os músculos são contraído, eles desenvolveram pontos de gatilho (trigger points), diz Faulkner. "Se você tem um músculo cheio de pontos de gatilho, não pode ser esticado nem contraído corretamente até que ele seja liberado". Se você está preso com um músculo obstinado que está limitando sua extensão, converse com um fisioterapeuta para uma massagem ou dicas sobre as melhores maneiras de usar um rolo de espuma ou bola.


Fonte: http://www.dancemagazine.com



Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

O que fazer nas férias do Ballet?

Resultado de imagem para ballerina on vacation

Oi Gente ! 

No primeiro post do ano vamos falar de Ballet nas fériasou melhor  sobre o que  fazemos nas  nossas férias  do ballet.
O ballet exige dos bailarinos um grande preparo físico. O trabalho do corpo é realizado continuamente. Mas, quando chegam as férias de final e começo de ano essa rotina sofre alterações, quando você frequenta aulas de ballet  no estúdio de dança, academia, escola.
O nosso corpo nunca entra em férias,  e se não estiver praticando o corpo começa a regredir, você começa a perder a massa muscular, o alongamento fica mais difícil, enfim  parece cruel mas é simplesmente a natureza humana.
A técnica do ballet é como andar de bicicleta: uma vez que você aprendeu, nunca mais você vai esquecer. Mesmo que se passem anos,  ela estará adormecida, e ela volta com um mês de aula, mais ou menos, porém,   seu condicionamento físico (que envolve força, alongamento, “fôlego”, entre outros) se perde em uma semana. 

E mais difícil fisicamente voltar a praticar, do que ser um iniciante.
Com as férias também vem as festas de Natal e Ano-Novo. E é claro que temos aproveitar e comer algumas delícias, mas isso não quer dizer que não podemos nos cuidar também.
Como esse período de férias e festas pode fazer a gente perder o ritmo e as vezes até ganhar alguns quilinhos. Listamos abaixo algumas dicas para não sair tanto do ritmo:


1.Escolha um horário para se exercitar
Tire uma horinha do dia para realizar atividade física. Faça uma caminhada, ande de bicicleta, o que você curtir mais. Procure manter sua concentração e o foco, para não deixar de lado os exercícios. Que tal chamar alguém da turma pra realizar alguns exercícios junto? Só não vale se perder no bate-papo e se esquecer de realmente treinar.

2.Não esqueça da alimentação
Aproveite as festas comendo e bebendo como se fosse um dia normal. Coma apenas se estiver com fome. E lembre-se de tomar muita água pois além de hidratar-se, isso vai ajudar a reduzir seu desejo de beber refrigerantes e outras bebidas cheias de açúcar e calorias.

3.Faça cursos de férias

Aproveite o período que estiver livre para fazer cursos de férias de ballet, cursos intensivos. É um período que você vai ter para aperfeiçoar a sua técnica, conhecer novos professores, conhecer profissionais da dança,   ouvir outras dicas e correções. E se puder fazer cursos fora do país.

Com essas dicas você vai curtir suas férias, sem perder os benefícios que o ballet proprociona, além de manter seu bem estar.

Fonte: https://5seis7oito.com
Whats app: (11) 9.9329.7223
Loja virtual: http://www.modaballet.com.br
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Bailarinos conquistam seu papel mais difícil: participando de corridas de rua de 5 km até uma maratona



Oi Gente!

Quando Erin Arbuckle chega na sala de aula de balé vestindo uma camisa de Maratona da Cidade de Nova York, os professores perguntam a ela: "Você realmente não fez isso, né?" Ela fez, e fez duas vezes, e ela está correndo de novo este ano no dia 5 de novembro.


Resultado de imagem para Erin Arbuckle ballet and run


Arbuckle, de 28 anos, formada pela School of American Ballet e uma dançarina autônoma que se apresentou com Ballet Next e Emery LeCrone Dance, entre outras, é uma bailarina rara que não só corre mas assumiu o desafio de uma maratona.

Os bailarinos aprendem a preservar seus corpos para a dança e evitar lesões de outras atividades. Embora o cross training de baixo impacto, como a natação, seja encorajado, a corrida geralmente é considerada de alto.

As cirurgias nos dois pés são de lesões de dança, apesar de não correr, o seu corpo está se mantendo bem, pois recomendaram aguardar o resultado da recuperação.

Marika Molnar, diretora de fisioterapia do New York City Ballet, geralmente aconselha os dançarinos a correrem apenas como um aquecimento. "Correr por 5 a 10 minutos antes da aula de balé ajuda a aquecer os músculos do corpo, que é muito importante", disse ela. "Além disso, você começa a ter riscos".

Dado ao estigma, não é surpreendente que muitas bailarinas querem correr uma maratona.



Emily Waters, de 35 anos, que dançou durante 10 anos com o Ballet da Pensilvânia e o Royal Danish Ballet, vai fazer sua primeira maratona este ano. Ela lutou toda a carreira com dor nas costas causada por escoliose e, finalmente, parou de dançar por causa disso. Ela está treinando para a maratona desde fevereiro e diz que isso não a incomodou.

O fisioterapeuta Prachi Bakarania, especialista em dor nas costas da ColumbiaDoctors, diz que a corrida pode ajudar como  tratamento da dor. "O impacto da corrida pode melhorar a densidade óssea, desde que o treinamento seja feito corretamente e aumentado ao longo do tempo", diz ela.

Apesar de Molnar concordar com isso, ela sustenta que a quilometragem de uma maratona pode fraturar ou causar fissuras nos ossos,  também não é necessário treinar  dançarinos para essa modalidade esportiva.

Waters, que agora trabalha na Fundação Andrew W. Mellon em concessão de artes e cultura e é estudante de pós-graduação em administração de artes na Universidade de Columbia, diz que o treinamento de maratona fornece o esforço físico que ela perdeu desde que se retirou do palco há sete anos.

"Quando você está dançando, você sempre está fazendo um balanço de seu corpo, percebendo suas dores e respondendo a elas. É tão bom ter isso novamente", diz ela.

Arbuckle encontra a satisfação da maratona semelhante ao desempenho. "Quando você está de pé na Ponte Verrazano, você sabe o que está por vir, é emocional", diz ela, comparando o início da maratona de NYC com a espera da apresentação.

Peter Boal, 52, diretor artístico do Pacific Northwest Ballet de Seattle e antigo bailarino principal do New York City Ballet, fez a  meia maratona com quase 50 anos, 10 anos depois de se aposentar do palco, e já correu três vezes.

Ele diz que seu corpo não permite que ele dance mais, mesmo que fosse divertido, a corrida ajudou a preencher o vazio. "Eu me sinto gracioso quando eu corro, eu não sentia mais isso", diz ele.

Boal explica que o apelo da meia maratona veio do perfeccionismo enraizado pelo balé. "Correr para a diversão foi bom, mas queria um objetivo para trabalhar, melhorar continuamente e medir meu progresso", diz ele.

Perguntado se ele recomendaria maratonas aos membros da empresa PNB, ele não tinha certeza se a temporada de balé permitiria assumir esse tipo de atividade. "Provavelmente recomendaria nadar ", diz ele.

Molnar concorda com ele. "O desgaste de treinamento necessários para uma temporada de apresentações, não consigo imaginar que você poderia manter uma carreira como dançarina e treinar para uma maratona", diz ela.


Waters está indecisa sobre treinamento para  maratona durante os ensaios. "Não é que teria sido ruim , mas eu simplesmente não tenho tempo", diz ela. Depois de uma pausa ela acrescenta: "Mas meu corpo se sente melhor do que nunca agora, então, quem sabe?"


Fonte: http://www.pointemagazine.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo