segunda-feira, 23 de abril de 2018

Euritmia: poesia em movimento


Resultado de imagem para euritmia infantil

Equilíbrio e agilidade são alguns dos benefícios dessa forma  de arte capaz de transformar a  palavra  em dança e criar belas coreografias. E isso além de ser uma verdadeira terapia.

Ganhar saúde, bem-estar e, ainda, aprender a transmitir, por meio de movimentos corporais, toda uma gama de sensações presentes na música e na poesia. Essas são algumas das vantagens de quem começa a praticar a euritmia, uma forma de arte em que criatividade e sensibilidade caminham juntas com o equilíbrio do corpo físico.

Intimamente ligada ao som e ao tom, a euritmia foi criada em 1912 pelo austríaco Rudolf Steiner, pai da antroposofia.  Do grego “conhecimento do ser humano”, a antroposofia é uma corrente de pensamento que propõe um modo de vida mais espiritualizado, criativo e natural para tornar nossa convivência com o universo que nos cerca mais harmoniosa. A filosofia antroposófica abrange os mais diversos campos, passando pela medicina, pedagogia e até arquitetura. Não poderia, portanto, deixar de dar importância para as artes.


Steiner acreditava que a manifestação artística é a mais elevada realização que o espírito humano pode almejar, porque está intrinsecamente relacionada com nossa criatividade. Criou, então, uma forma de arte que apresentava uma particularidade: a capacidade de dançar a palavra. “Ele foi desenvolvendo gestos para cada fonema da língua, descobrindo a relação dos movimentos corporais com a palavra falada”, explica a professora de euritmia pedagógica, Marília Barreto.
Dançar um poema ou um fonema parece estranho em um primeiro momento, mas logo faz sentido. Tente imaginar a forma da letra B, por exemplo. Repita e atente para o movimento da língua, da boca. Agora pense a que formato ela corresponde. Muito provavelmente você pensou em uma forma arredondada. “O B é envolvente, é como se fosse uma capa, o manto de uma madona”, explica a professora.


Resultado de imagem para shoes euritmia

Fonte: http://www.triada.com.br

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Facebook: facebook.com.br/modaballet.com.br
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo



terça-feira, 13 de março de 2018

Ballet faz você emagrecer?


Calories Burned in Ballet Class

O corpo do dançarino  é leve e magro, e isso é devido ao treino que o bailarino recebe ao fazer uma aula de dança. O balé pode parecer  gracioso em todas as suas poses, com as posições das mãos, mas o balé é uma dança que ativa todas as partes do corpo, assim proporcionando uma grande queima de calorias.

Piruetas também queimam calorias?
Enquanto você fica na barra na posição plié e tendu e depois faz uma série de piruetas e arabescos - você está queimando muitas calorias. Uma pessoa de 130 quilos queima por volta de  525 calorias em uma aula de 90 minutos - duração de uma aula de balé - enquanto uma pessoa de 68 kg queima 600 calorias na mesma aula. O balé é um treino para o corpo inteiro e com  eficacia na criação de músculos longos e magros, além de ajudá-lo a melhorar o equilíbrio e a postura.

O Ballet para iniciante faz com que você perca peso?
Aulas de dança para iniciantes como o ballet,  ensinam habilidades físicas e podem apresentá-lo a uma nova atividade. Se você estiver empenhado em perder peso,  a queima de calorias é relativa pelo tempo que é exigido. Uma aula de balé vai fazer você perder peso, porém é necessário outras atividades fora da aula que vão ajudar nesse processo .

Ballet para iniciantes 
As aulas de ballet  para iniciantes não fazem o aluno deslizar pelo chão na  ponta ou fazer vários saltos  no ar. Em vez disso, essas aulas ensinam aos alunos as posições básicas, trabalham em ritmos de balé clássicos e desenvolvem força e flexibilidade através de exercícios na barra e a prática da postura. Uma aula típica para crianças dura 30 minutos. As aulas de adultos podem durar uma hora ou mais.

Queima de calorias
O site de saúde HealthStatus.com fornece estimativas da queima de calorias para uma variedade exercícios. O HealthStatus inclui uma introdução para a dança, o ballet. 
O ballet para iniciante é menos rigoroso do que essa introdução sugerida. O ritmo é lento e o foco é na postura e aptidão.  A  aula  de ballet para iniciante faz parecer mais a uma aula de ioga do que o ballet regular. Uma menina de  49 kg terá uma  queima calórica de cerca de 140 calorias em 30 minutos nesse tipo de atividade. Com essa taxa, levaria um mês de aulas diárias para queimar 3.500 calorias.

Dieta
As calorias extras que você queima em uma aula de ballet para iniciantes farão com que seu corpo anseie calorias extras para compensar a energia extra que você gastou.  Por esse motivo,quando você começa a fazer ballet - ou qualquer outro exercícios para perda de peso - funciona melhor quando comparado com uma dieta com baixas calorias.

Bottom Line
O ballet para iniciante pode ajudar a contribuir para o desequilíbrio calórico que causa perda de peso. No entanto, para melhores resultados e combiná-lo com outras atividades que também colaborem com a perda de peso, como por exemplo  uma dieta com baixas calorias e exercícios de apoio. As aulas de ballet para iniciantes não irão fazer você perder peso por si só, mas certamente ajudarão no resultado de um programa de perda de peso.

Fonte: https://www.livestrong.com


Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Facebook: facebook.com.br/modaballet.com.br
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


sexta-feira, 2 de março de 2018

Como os equipamentos de Pilates podem ajudar os dançarinos

Resultado de imagem para ballerina pilates

No Pilates existem 12 maneiras que podem  ajudar os dançarinos a melhorar o desempenho para as apresentações  e a longevidade da carreira.

1. Exercícios de footwork no aparelho de pilates Reformer equilibra, fortalece e massageia os músculos de seus pés e articulação do tornozelo. Isso irá preservar seus pés para uma carreira de dança mais longa e também diminuindo o desgaste.

2. Uma dica para bailarinas é trabalhar paralelamente nos exercícios de footwork do Pilates, mas também fazer aulas de jazz ou sapateado como uma alternativa,  entre as aulas de ballet.

3.No  Pilates,  também se trabalha  seus arcos e saltos, o que fará reverter o impacto nas bolas e pontas dos pés.

4. O equipamento de Pilates usa como resistência uma mola, que ajuda a construir e alongar os músculos de todo o corpo.

5. O Pilates é um exercício mental completo. O equipamento obriga a você ser mais consciente,  ao ter que mover o equipamento como se estivesse fazendo uma dança; empurrando e puxando contra ele o seu core. Quanto mais consciência corporal,  melhor dançarino você se torna.

6. O Pilates é o momento  de recuperação das suas pernas e pés dos impactos dos saltos! O Pilates fortalece os músculos do core mais profundamente, como o assoalho pélvico.
O impacto da dança e dos saltos em diferentes tipos de pisos atingem as costas e pescoço, que tipicamente comprime a coluna vertebral, com a prática do Pilates seus pés se tornaram mais leves.

7. Os exercícios de Pilates ajudam a curar seu corpo elevando as pernas. Isso aumenta a circulação para o coração, tornando as pernas mais claras e ajuda a curar-se mais rápido de uma lesão.

8. Pilates corrige quaisquer desequilíbrios por falta de força ou padrões de compensação defeituosos que possam causar uma lesão. Os dançarinos são forçados a posições desafiadoras com seus corpos. Pilates garante que o dançarino recrute os músculos corretos para executar e manter seu alinhamento o melhor que puder.

9. Pilates é de baixo impacto versus  a dança  de grande impacto, dependendo da técnica de cada dançarino. Os círculos de perna nas tiras dos pés são perfeitos para um dançarino treinar seus quadris. Eles podem treinar para girar seus quadris em vez de compensar nos joelhos. Além disso, a parte inferior da parte traseira o amará por isso, tornando-se mais flexível e podendo esticar os isquiotibiais apertados!

10. Pilates faz você se sentir como se tivesse apenas em uma massagem de cabeça para baixo e de elevação de todo corpo!

11. Pilates melhora a postura, fazendo com que pareça confiante, cheio de energia e maior do que a vida no palco!

12. Pilates mantém você fora da fisioterapia e do consultório do médico, o que deixa mais tempo para fazer o que você ama, dançar! Considere Pilates sua lição de casa necessária!

Fonte: https://spotlight.capezio.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet

Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Quando a criança precisa de novas sapatilhas de ballet

À medida que os pré-adolescentes e os adolescentes atingem fase de crescimento, seus pés podem crescer a metade ou todo o tamanho dentro de um ano letivo. E para os dançarinos que fazem aula várias vezes por semana, a mudança será sentida rapidamente.

Uma dica é perguntar para seu filha ou filho se a sapatilha está confortável. Outra questão que não relacionado ao crescimento é o nível de técnica de um aluno. À medida que os dançarinos avançam nas aulas da escola, eles recebem cada vez mais execuções de técnicas mais difíceis. Quando isso acontece, seus sapatos de balé também devem dar um passo para cima, a partir de elásticos únicos no topo do pé (como no Daisy, Lily e Love Ballet) para elasticidades cruzadas (como na Julieta, Cobra e Hanami) para segurar o pé para saltos altos e turnos rápidos

Estudantes que fazem  várias aulas podem achar que seus sapatos estão desgastados ou estragados, mas se sua pequena estrela quer sapatos perfeitamente limpos, deixe ela ou ele saber: mesmo sujo ainda serve!

E se os pisos do estúdio tem muito tráfego, isso pode ser uma razão para investir em sapatilhas de ballet de couro.

"O couro é mais fácil de limpar do que a lona", disse Yolanda Walmsley, que recomenda ter um par de back-up para performances, de modo que as sapatilhas limpas sejam usadas ​​com o figurino da apresentação. 

A escolha de couro ou lona será uma escolha pessoal que os dançarinos fazem com base em suas preferências de ajuste e custo.

Você pode comprar uma sapatilha pouco maior, porém evite comprar uma sapatilha muito grande e esperar que seu filha ou filho cresça rápido.

"Você não quer fique a sapatilha fique muito grande, pois isso pode ser perigoso. Um dançarino poderia tropeçar ", disse Orekomaiya. "As sapatilhas não podem ser muito larga, pois pode ocorrer lesões, então,  e necessário fazer um  bom ajuste".


Antes da aula é importante ter certeza de que os sapatilhas do sua filha ou filho tenham feito os ajustes nos cordões/elástico para terem a tensão certa. Estas cordas/elástico finos irão puxar um tecido extra. Se houver excesso demais, eles podem ser amarrados em pequenos arcos e cortados com um simples corte de tesouras.

Mas não corte demais - e nunca remova os cordões. Sem eles, a sapatilha ficará muito solta e provavelment inutilizável. No calçado clássico da Capezio, os cordões de Daisey foram aderidos para que não possam ser puxados para fora. Além disso, os designers de Capezio também eliminaram os cordões em alguns modelos de sapatos de balé. O que foi em resposta ao feedback dos clientes, disse Orekomaiya: "As crianças estavam puxando os cordões para fora".

E essa é uma característica fundamental das sapatilhas Love Ballet e dos novos sapatos de dança Hanami, feitos de lona extensível de quatro vias que se agarra ao pé - sem necessidade de cordões.


fonte: https://spotlight.capezio.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo





terça-feira, 30 de janeiro de 2018

7 Diferenças entre Ballet e Dança Chinesa Clássica



Resultado de imagem para chinese dance


No Ocidente nós  conhecemos o balé e as  performances como o Nutcracker ou Swan Lake. Mas há outra forma de dança clássica com uma longa história que só recentemente irrompeu na cena mundial. Chama-se dança clássica chinesa.

A dança clássica chinesa é uma forma de dança incrivelmente exigente, refinada e expressiva. Ao lado do balé, é também um dos sistemas de dança mais abrangentes conhecidos da humanidade.

Até alguns anos atrás, poucas pessoas fora da China já ouviram falar da dança chinesa clássica. Um dos principais motivos é que, quando as empresas chinesas se apresentaram no exterior, muitas vezes misturavam dança chinesa com balé, dança contemporânea, moderno e jazz, então o público deixa o teatro sem saber exatamente o que acabaram de ver.

Em 2006,  Shen Yun Performing Arts foi estabelecido em Nova York,  e a sua missão como fundadora foi reviver a cultura tradicional, e isso incluiu a apresentação da dança chinesa clássica em sua forma mais pura. Uma década depois, a dança chinesa clássica  se tornou um nome conhecido e teve uma tremenda influência sobre outras formas de arte.

Qual a diferença, então, entre o balé e a dança chinesa clássica? Ambos podem ser incrivelmente bonitos. Ambos são muito atléticos e exigem anos de trabalho árduo disciplinado. E, no entanto, a sensação de que você observa essas duas formas de dança é marcadamente distinta. Para realmente experimentar isso, você deve assistir a uma performance de dança chinesa clássica.

Seguem as 7  diferenças básicas:

Primeira Diferença: História
O balé tem uma história de várias centenas de anos. A sua história remonta ao renascimento italiano no século XV. A forma de arte foi sistematizada pelo rei Louis XIV cerca de cem anos depois.

A dança clássica chinesa está enraizada em cinco milênios da civilização chinesa. Suas origens remontam a danças em antigos palácios imperiais e tradições populares que foram transmitidas pelas gerações. Alguns elementos foram preservados até hoje em artes marciais, mas mais sobre isso em um momento.

Segunda Diferença: Treinamento
Tanto o balé como a dança chinesa clássica têm sistemas de treinamento muito sistemáticos, mas suas abordagens são diferentes. Os muitos métodos de treinamento do Ballet geralmente começam com o trabalho dos pés e fortalecimento das pernas e os músculos do core. O treinamento avançado para incluir o trabalho nas mãos, ponta e técnicas de alto nível do balé.

O treinamento de dança clássica chinesa inclui três componentes principais: habilidade técnica, forma e rolamento. As técnicas de alto nível da dança chinesa clássica também são incrivelmente exigentes e incluem muitos movimentos não presentes no balé (mais sobre isso abaixo).

A "Form" é um sistema de numerosos movimentos e posturas claramente chinesas. Mas talvez a parte mais importante do treinamento seja de "apoio", ou em Chinese-yun (o mesmo Yun em Shen Yun). Yun é o sentimento interior por trás de um movimento. Está profundamente ligado à respiração do dançarino e ao estado de espírito, e reflete unicamente a personalidade de um artista.

Terceira diferença: Física
A nível profissional, os bailarinos de dança de balé e clássicos são incrivelmente aptos, magros e têm flexibilidade aparentemente desumana e controle muscular. Mas os dois estilos de treinamento também levam a diferenças físicas dos dançarinos.

Simplificando, ballet e dança chinesa clássica usam músculos de forma diferente. Ballet baseia-se na anatomia humana existente para desenvolver os músculos de uma nova maneira específica para as necessidades do balé.

A dança clássica chinesa, no entanto, usa os mesmos músculos que usamos diariamente e não exige que eles sejam especificamente desenvolvidos. Os músculos que um dançarino usa ao andar, correr ou jogar basquete são os mesmos músculos utilizados na dança chinesa clássica.

Então, se você ver uma dançarina chinesa clássica caminhando pela rua, você pode notar apenas uma pessoa apta com uma ótima postura e uma marcha suave e graciosa.

Quarta diferença: técnicas
O balé moderno incorporou técnicas de diferentes formas de arte, incluindo a dança chinesa clássica. Mas ao comparar o ballet tradicional e a dança chinesa clássica, uma das coisas que a platéia geralmente observa é o alcance e o grau de dificuldade das técnicas clássicas da dança chinesa.

As rotações, por exemplo, são realizadas de forma diferente. No balé, eles são realizados verticalmente, com o corpo em um eixo perfeitamente perpendicular. Na dança chinesa clássica, essas técnicas são realizadas com a parte superior do corpo inclinada para a frente, inclinando-se para cima ou torcendo para trás e, como resultado, as rotações podem ocorrer em vários planos. Dançarinos clássicos chineses podem até girar com uma perna elevada acima de suas cabeças.

Outro exemplo são os flips (fanteng) da dança chinesa clássica, que não existem no balé. Nas apresentações de Shen Yun, essas voltas geralmente atraem suspiros da platéia.

As pessoas às vezes chamam erroneamente esses movimentos "acrobacias" ou "ginástica", mas na verdade é que é o contrário. Esses flips difíceis realmente se originaram da dança chinesa clássica e têm uma história de milhares de anos.

Algumas décadas atrás, as ginastas chinesas começaram a emprestar esses movimentos da dança clássica chinesa e os apresentaram nas Olimpíadas. Foi assim que a maioria das pessoas no Ocidente aprendeu sobre elas, e é por isso que não é conhecido de onde elas realmente vieram


Quinta diferença: conexão às artes marciais
 A dança clássica chinesa tem um relacionamento especial com artes marciais que não existe no balé. A dança clássica chinesa e as artes marciais chinesas podem ser ditas como irmãos com talentos semelhantes que escolheram caminhos diferentes.

Na China antiga, durante as grandes festas no palácio imperial, os generais se apresentariam frente ao imperador. Os mesmos movimentos de artes marciais que eles usam no campo de batalha tornaram-se uma forma de arte, dança.

O movimento de evitar uma lança, por exemplo, tornou-se parte da dança como um backflip; Defender um ataque simultâneo de todos os lados tornou-se na dança um sao tang, ou "varrendo a rotação do salão".

Não foi assim que evoluiu para o outro. Em vez disso, a mesma técnica usada para combater é artes marciais e usada civilmente é dança. A língua chinesa ainda tem uma pista sobre isso: o wu em wu shu (artes marciais) e o wu in wu dao (dança) são escritos de forma diferente, mas pronunciados exatamente o mesmo.

Resultado de imagem para chinese dance and ballet

Sexta Diferença: Influência Cultural
O Ballet, do Oeste, e a dança chinesa clássica, do Oriente, são fundadas em heranças culturais distintas. Essa diferença é intangível, mas talvez um exemplo possa ajudar a ilustrar isso.

Na cultura ocidental, quando você se aproxima de alguém com quem deseja falar, você geralmente caminhou até essa pessoa em linha reta. Na cultura oriental tradicional, você abordaria essa pessoa de forma indireta, através de uma trajetória circular.

Esta diferença pode ser vista em como o ballet enfatiza movimento linear, distinto e dança chinesa clássica enfatiza movimentos que são redondos e contínuos, sem pausas. O balé também tem movimentos e posturas perfeitamente redondos, mas na circularidade clássica da dança chinesa é um atributo básico que permeia todos os movimentos.

O "círculo da figura oito" (ba zi yuan), por exemplo, é um movimento que se assemelha a uma fita de arco. Para avançar, o movimento começa para trás, e para ir para a esquerda, ele fica bem primeiro, formando uma figura oito. Este movimento pode ser um pequeno gesto de mão ou uma grande rotação aberta de todo o corpo, adicionando camadas de complexidade até mesmo os movimentos minúsculos da dança chinesa clássica.

Sétima diferença: Ladies 'Footwork
Uma diferença final que é imediatamente fácil de detectar é a forma como as dançarinas femininas se movem através do palco. No balé, o movimento é freqüentemente na ponta, com uma perna perfeitamente reta estendendo todo o caminho até as pontas dos dedos dos pés. Às vezes, um bailarino de sexo feminino também se moverá em grandes passos dramáticos que enfatizam a abertura.

Na dança chinesa clássica, a menos que estejam executando uma técnica, as dançarinas se movem com um mini-passo rápido para o calcanhar. Parece que elas não estão caminhando tanto quanto estão deslizando pelo palco. O movimento é tão rápido e suave que faz com que os dançarinos parecem estar flutuando em uma nuvem.

Tesouro universal
Uma dança é mais conhecida que a outra, apesar de ser muito antiga. Apesar de suas diferenças,  tanto o balé quanto a dança chinesa clássica têm a capacidade de contar histórias vividamente e nos mover através de sua arte bonita.

Aqui estão alguns recursos para conhecer a dança chinesa clássica. Não há nada, no entanto, como experimentá-lo ao vivo.

fonte: https://www.shenyun.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Cinco dicas para melhorar sua apresentação no espetáculo quando há cenas de luta.



Em alguns espetáculos o combate intenso é uma etapa crucial, desde as lutas de espadas em Romeu e Julieta até os ganchos de esquerda do musical Rockway da Broadway. Mas para desempenhá-los bem requer uma consciência cuidadosa do corpo, confiança e um compromisso total com a segurança. Abaixo seguem algumas dicas de especialistas que podem ajudá-lo a tornar suas cenas de luta mais convincentes, atraentes e seguras.

1. Porque fazer Curso Básico....
Quando Luke Ingham foi representar o Tybalt no Romeu & Julieta do Ballet de San Francisco, ele passou um mês inteiro praticando as posições básicas do corpo para a esgrima, o footwork e o impulso. "Você precisa realmente saber  onde estão seus os pés e deixá-los firmes, ", diz Ingham.


Quando ele conseguiu assimilar os fundamentos da esgrima, ele começou a ensaiar a coreografia do segundo ato onde acontece uma luta espada. "Por causa do tempo que nós tivemos para aperfeiçoar os movimentos, e quão confiante ficamos com a coreografia, isso nos permiti a expressar livremente nossos personagens sem nos preocupar com 'O que vou fazendo agora?' "diz Ingham.

2. Conseguir fazer close up
O combate do corpo-a-corpo,  um empurrão,ou como puxar os cabelos como acontece no espetáculo da  Cinderela - onde uma das meia-irmãs puxa o cabelo dela. É mais seguro e mais crível para os dançarinos fiquem há uma distância de um metro um do outro, em vez de ter os braços retos e os cotovelos bloqueados.

"Você precisa estar tão perto do seu parceiro quanto possível, de modo que você possa comunicar de forma não verbal o que você precisa", explica Jared Kirby, um coordenador de luta baseado em Nova York, que treinou pessoas para fazerem acrobacias na TV e atores de Shakespeare que recentemente ajudaram os coreógrafos Rick e Jeff Kuperman a se prepararem para a produção de The Count of Monte Cristo. "A vítima está sempre no controle. E o público obtém essa incrível e visceral experiência, porque quanto mais perto estiver, mais realista parece", diz ele.



3. Conheça seu alvo
Ingham passou horas ensaiando com o ex-diretor SFB Pascal Molat, que retratou seu oponente, Mercutio. "É importante manter essa continuidade com o mesmo parceiro", diz ele, para que você possa dominar o tempo, o impulso e a posição de cada movimento. "Algumas pessoas são baixas, outras são altas. E você precisa ter uma compreensão precisa de que ponto no corpo você está apontando". As espadas e as facas prontas para o palco são falsas, porém não são inofensivas, e  se acidentalmente você for atingido "não será agradável".

4. Combater de forma cooperativa
Mesmo quando os personagens são inimigos jurados, os dançarinos que os retratam precisam ser parceiros harmoniosos. "O trabalho de luta é 100% de energia cooperativa para mostrar conflito", diz Kirby. Lembre-se de que o seu trabalho mais importante é proteger uns aos outros. "Se vocês dois abraçam isso, vocês trabalharão juntos para promover a coreografia para o próximo nível", diz ele.

5. Converse
Se um coreógrafo ou um diretor de luta pede que você faça algo que não seja seguro. "É uma posição muito infeliz, mas acontece", diz Favia.  ela nunca pede aos dançarinos para tentar truques perigosos apenas fazer alguma coisa que de  efeito. "Se estiver coreografado corretamente, a mensagem sempre será retratada, mesmo sendo em uma versão" segura ", diz ela.
Se você não pode resolver a situação no ensaio, vá para o diretor, o proprietário do estúdio ou o representante do grupo. "Você precisa confiar em seus instintos e se expressar", diz Kirby. "Uma comunicação respeitosa é a chave".


Fonte: http://www.dancemagazine.com

Whats app: (11) 9.9329.7223
Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo




segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Sapatilhas de ponta: eles vão doer sempre que eu usar?


Resultado de imagem para ballerina feets

Você aguardou por muito tempo e, fez a quantidade de aulas necessária, trabalhou muito duro na sua técnica de balé e finalmente foi aprovada pelo seu professor para usar a sapatilha de ponta. Parabéns! Você pode até sonhar em ser a primeira bailarina,  vestindo suas lindas sapatilhas de ponta de cetim com elegância e beleza. Mas então ... aí. Embora a emoção de ter seu primeiro par de sapatilhas de ponta, e é nesse momento que você descobre que elas não são as coisas mais confortáveis que você já colocou nos seus pés. Mas, as sapatilhas de ponta sempre doem? A dança na sapatilha de ponta pode ser feita dor?
Aqui seguem algumas dicas de Mary Carpenter de Nova York, ela é especialista de sapatilhas de ponta, para falar sobre se a dor da sapatilha é normal, se é gerencíavel e como você pode superar a transição desconfortável.


"Estou com medo de começar a ponta porque vai doer!"
Alguns jovens dançarinos podem ter medo de começar o trabalho de ponta porque temem a "dor" que pode vir quando usar a sapatilha de ponta. Carpenter assegura, no entanto, que se você tem um core (lombar, glúteo e abdômen) bem alinhado, uma boa higiene dos pés, treinamento adequado e correspondente ao seu nível e as habilidades necessárias para entrar em ponta, então a "dor", ou "desconforto", serão  gerenciáveis.

"Eu sempre sentirei dor, toda vez que eu for dançar? Por quanto tempo será doloroso? "
A dor inicial pode ser controlada, dançar com sapatilha de ponta não é tão confortável como os chinelos da sua casa.
"Não há nada parecido com a dor das sapatilhas de ponta", diz Carpenter. "Os seres humanos não nasceram para a ponta, e eles não saem do útero com os quadris obtidos 180 graus. Você tem que aceitar que isso é uma coisa incomum para o corpo humano empreender, como andar na corda bamba, patinação no gelo e etc. Dito isto, quanto mais forte você ter o core,  pernas,  pés e na técnica geral, será mais fácil para o seu corpo ajustar as demandas dessa rotação externa,  com essa linha vertical sobre os dedos dos pés  (na ponta) ".


"Como posso tornar a ponta menos dolorosa?"
Claro, o pointework pode ser desconfortável. Afinal, apontou Carpenter, o próprio balé é uma coisa incomum para o corpo experimentar. "O balé é uma coisa incomum, pense por um momento: você  coloca todo o seu peso nos dedos dos seus pés em um sapato duro projetado para suportar todo o seu corpo alinhado sobre uma pequena área de superfície".

Mas se você mudar sua perspectiva, isso pode ajudar. Em vez de se concentrar na dor ou em ter medo de dançar na ponta, tente saborear no sentido da realização de que finalmente obteve suas sapatilha de ponta! Um pensamento positivo pode ajudar o seu o corpo.

Há outras coisas que você pode fazer também. Carpenter encoraja aos dançarinos a ouvir seus professores. Tire nota e tente aplicar todas as correções que seus professores lhe dão em todas as suas aulas. Tome a iniciativa e faça exercícios extras para fortalecer seu core - abdômen, lombar, glúteos, cintura escapular. (Pergunte aos seus professores se você precisa de mais alguns exercícios.) Trabalhe duro nas suas aulas de técnica de balé, com foco em uma alta demi-pointe e a articulation tendus.

E, claro, certifique-se que suas sapatilhas de ponta sejam feita por um profissional; não escolha apenas um par na prateleira. "Certifique-se de que suas sapatilhas de ponta se encaixem muito bem nos seus pés, e que também não sejam tão apertados que seus metatarsais sejam esmagados", avisa Carpenter. 


Uma dica é ter um podólogo e um ortopedista, se houver algum problema de desalinhamento com seus tornozelos e pés. Carpenter diz: "O médico pode dar-lhe exercícios de terapia, técnicas  e dicas com cuidados com os pés. Por exemplo, se você  tiver pés chatos, pergunte ao médico se há um método de massagem ou alguns exercícios que você pode fazer para ajudar você".

"Como eu cuido dos meus pés?"
A higiene adequada dos pés certamente pode ajudar com o desconforto que as sapatilhas de ponta podem trazer. Carpenter pede aos dançarinos que não deixem que as unhas dos pés sejam muito longas e também não as cortem demais. Além disso, você pode querer evitar pedicures, que cavam as cutículas e eliminam calos, e você sabe que eles protegem os seus pés contra a infecções, explica Carpenter.

"Comece imediatamente a ter rotina nos cuidados com os pés", acrescenta. "Sempre tenha o que eu chamo de" spray de ballet mágico "na sua bolsa de dança. Pegue uma pequena garrafa de spritzer, encha-a com ¾ de álcool, ¼ de água e algumas gotas de qualquer óleo essencial que você gosta. Eu gosto de lavanda, então é o que eu uso, mas você também pode usar o óleo chá verde, limão, sálvia, ou qualquer outro. Pulverize seus pés depois de terminar de dançar durante o dia. O spray mata odores, se livra das bactérias (pé de atleta), deixa a  pele dos pés secos, assim,  ajudando a desenvolver calos, além disso é barato de fazer. Uma dica: não pulverize diretamente sobre uma ferida aberta. Use uma pedra-pomes em seus calos após um banho, mas não tente se livrar deles completamente. Você precisa que sua pele se endureça para proteger da sapatilha ".

Além disso, Carpenter diz: deixe suas suas sapatilhas de ponta secar depois de cada classe ou ensaio. E lave sempre os pés depois da aula! Não só eles cheiram, mas muitas vezes podem ser o lar de bactérias que podem causar infecções nos pés ou nas unhas.

"E se ainda for doloroso, mesmo depois de seguir todas essas dicas?"
O desconforto pode vir  na dança usando a ponta, mas se for uma dor intensa, isso pode significar que algo está errado,  diz Carpenter.
"Consulte o seu professor, um profissional que fabrica as sapatilhas ou um podólogo, e seja específico sobre o que você está sentindo", encoraja Carpenter. "Se você disser a um profissional que dói, isso não é útil. Seja pró-ativo, tente melhorar sua técnica, troque a ponteira, troque a marca da sapatilha de ponta. A fita adesiva ou a fita de esportes funcionam melhor para você? Você realmente precisa de uma palmilha de gel?  Por que você está tentando usar a mesma modelo sapatilha da sua amiga quando ela tem pés completamente diferentes? Você está realmente fazendo todos os dias seus exercícios com a TheraBand, que aumenta lentamente o seu demi-pointe, ou você está apenas olhando as fotos do Instagram de outras bailarinas que estão na ponta, e esperando fazer a mesma coisa um dia? Você deve ser a única a fazer que isso aconteça, ninguém pode fazer isso por você. Professores, profissionais que fabricam as sapatilhas, terapeutas e médicos podem orientá-lo, mas é você que tem que trabalhar duro. Sua recompensa é saber que você fez isso sozinho, se superando constantemente!"


Fonte: http://dancemagazine.com.au


Whats app: (11) 9.9329.7223

Instagram: moda_ballet
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo